Miss Bolívia (Arg)

Difusa Fronteira / Miss Bolívia (Arg)

Autobiográfico, poético, e militante, MISS BOLIVIA é um projeto musical de Buenos Aires que fusiona cumbia, hip hop, dancehall, electro, folclore e reggae, combinando o frescor do digital com a autenticidade dos ritmos dos povos latino-americanos originários. Por traz deste emaranhado de estilos e das incendiarias liricas está a cantora, compositora e DJ argentina, Paz Ferreyra. Emergindo como proposta musical em 2008, Miss Bolivia publicou 2 álbuns oficiais e realizou turnês pela Europa e América Latina, se apresentando em imponentes casas de show e festivais. Em seu país tocou no Luna Park, Niceto Club, CC Konex e Centro Cultural Recoleta, além de participar do Quilmes Rock, Urban Music Fest, Lollapalooza, Fusion Festival, Pepsi Music entre outros festivais.

Porém, um longo caminho antecedeu esta vertiginosa carreira. Paz Ferreyra lembra que com 6 anos, sentiu pela primeira vez a força da música ao interpretar uma canção em uma apresentação no colégio. Cursando os últimos anos do colegial em Nova Iorque, ela adolescente,
conheceu de perto o vigor do Rap e outros estilos afros em voga. Sem privilegiar até então a música, se formou em psicologia pela Universidade de Buenos Aires, onde se destacou lecionando na faculdade e trabalhando com pessoas em situações de risco nas ruas. A música estão a chamou e cobrou força em sua vida, e Paz Ferreyra adotou o Bolivia, nome da rua onde cresceu no bairro portenho Partenal, além de nomenclatura de um país com que se identifica.

Questionada sobre ter abandonado a promissora carreira de psicologa, ela rebate: “Eu não deixei a psicologia, já que continuo exercendo com o microfone”. Comportamental, terna e beligerante sua música sempre contem elementos políticos e mensagens impactantes. Em suas
famigeradas performances coloca em diálogo a música, a dança e as artes visuais com toda a potencia, qualidade e alta voltagem proveniente da fusão das culturas latinoamericanas.

Sucedendo um álbum de estreia caseiro e ultra-independente, o seu primeiro CD oficial Alhaja, poderia ser traduzido como um amplificador ligado ao coração, por sua vitalidade e sensibilidade musical. Sua segunda entrega Miau, lançado pela Sony Music em 2014, altera em
12 faixas, sensualidade, agressividade e fragilidade. Celebrado com uma grande turnê ( Miau Tour) pela América do Sul, México e Caribe, o álbum gerou o clipe Bien Warrior. Dirigido pelo premiado diretor de fotograa José Cicala e gravado na fábrica argentina IMPA, ocupada e
autogestionada por seus operários desde 1998, Bien Warrior nasceu hit, já que em sua primeira hora alçou cem mil reproduções no Youtube.

Provocando o purismo com alianças rítmicas respeitosas, Miau contou com colaborações finíssimas como de Leo García, Mimi Maura e Pocho
“La Pantera”.

Miss Bolivia foi premiada como Melhor Artista Soundsystem no Rototom Reggae Contest Latino, e recebeu um diploma de reconhecimento da Legislatura de Buenos Aires, por seu ativismo na
luta pelos direitos humanos. A artista compôs trilhas e músicas originais para longas-metragens de destaque como Desmadre, de Jazmín Stuart e Juan Pablo Martínez, lançado em 2012. La Vibra, sua track em parceria com El Remolón, está em um capitulo da cultuada série Bones.
Focus, filme recente protagonizado por Will Smith, traz em uma de suas cenas seu tocante “Rap para las Madres”, que destaca o vazio de informações sobre a ditadura, onde Miss Bolivia recorre a suas vivências na tentativa de colocar letra neste silêncio atroz.

Armada até os dentes com uma lírica incendiaria que exala poesia e sentimento, Miss Bolivia despeja uma mensagem de emancipação e um chamado de reconexão aos sons de bairro, os recursos naturais, os direitos individuais e coletivos e o baile como modo de exorcismo e sanação colectiva. Sua prática musical está orientada à inclusão, tolerância, autogestão e independência. A presença de Miss Bolivia no cenário musical atual é um exercício de oxigenação criativa e um tratado trans-estilístico capaz de construir novas sonoridades, narrativas e formas afetivas de militância, permitindo sutilezas sem perder o punch certeiro.

Playlist Spotify